Beasts of the Southern Wild, Benh Zeitlin, EUA (2012)

beasts-of-the-southern-wild-review-image-Quvenzhane-Wallis-noscale

Indomável Sonhadora (Título nacional)

Esse é o melhor filme de 2012 que vi em 2012, exageradamente lindo. Lembrou bastante “Onde Vivem Os Monstros” porém com a diferença de mesclar a realidade em meio a fantasia da imaginação de uma criança. Também me lembrou a vibe apocalíptica de “A Estrada”.

A história se passa na “Banheira”, uma ilha no meio de uma barragem que, após o Katrina, fica completamente submersa. Embora o local seja fictício, inspira-se numa ilha real, a Isle de Jean Charles, já na parte da Louisiana que se mistura com o Golfo do México, e que a cada dia perde um pouco mais de espaço para o mar. Da mesma forma que a Isle de Jean Charles, os teimosos habitantes da”Banheira” insistem em permanecer em suas casas mesmo com a água na canela.

Hushpuppy (Quvenzhané Wallis) é uma menina de apenas 6 anos de idade que vive nessa comunidade isolada, com seu pai Wink (Dwight Henry) que está muito doente e se recusa a procurar ajuda médica. Em meio a mazelas de extrema pobreza, Hushpuppy que é criada entre os bichos, dividindo até a comida com eles, fantasia com um mundo folclórico de bichos pré-históricos e alimenta a ilusão de ser uma forte guerreira e rainha, o que apesar de sua imaginação imaculada, ela não deixa de ser exatamente isso, por traçar uma dura luta pela sobrevivência.

Certo dia, pai e filha precisam lidar com as consequências trazidas por uma forte tempestade, que deixa a comunidade completamente inundada. Passam então, a viver em um barco com alguns amigos sobreviventes. Com a filha prestes a se tornar orfã, o pai de Hushpuppy determina uma regra para ela, que o importante é ser forte e sobreviver, incentivando na filha um áspero sentimento de dureza, que acaba tornando a menina preparada em contato com tanta miséria e mesmo com isso ela não deixa de ter seus momentos de criança, vivendo em seu mundo de imaginação e ao mesmo tempo com seus pezinhos na realidade. É incrível a relação entre pai e filha, eles possuem um elo muito forte apesar de conturbado, é bastante incomum.

Além da história cativante, o filme tem também um ponto imbatível pelas impecáveis atuações, principalmente da jovem Quvenzhané Wallis, que me deixou apaixonada e já prevejo seu destaque, concorrendo a melhor atriz junto a nomes grandiosos das divas hollywoodianas no Oscar.

Behn Zeitlin consegue impactar o mundo ao apresentar a ele uma realidade que mais do que nunca precisamos vivenciar através de filmes. E sendo assim, enxergarmos o quanto sabemos pouco sobre essas pessoas afetadas por fatalidades da natureza ou da própria ação humana, indivíduos que recusam abandonar seu lar, mesmo que isso os coloquem em estados de maior vulnerabilidade e fiquem a beira do perigo, pois se sentem parte deles, é onde vivem, pertencem, laboram, onde criaram suas raízes, vidas, filhos, memórias, sua história.

Anúncios

Sobre Carolina Alves

Feminista, cinéfila, bookaholic, Assistente Social, mestranda em Sociologia, desbravadora insaciável dos estudos de gênero, vive dando sua opinião não-requisitada sobre música, tv, cinema, política, literatura, vida alheia e futilidades acaloradas via twitter. @fuckyeahcarol
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s